Menu

Seminário “Como fazer negócios com os Emirados Árabes Unidos”

Representantes do setor privado brasileiro estão nos Emirados Árabes Unidos dispostos a travar parcerias estratégicas de negócios com o país árabe em um mundo pós-covid. Foi esse um dos recados dados por líderes do setor empresarial brasileiro no seminário “Como fazer negócios com os Emirados Árabes Unidos”, realizado neste domingo (14) no hotel The Ritz-Carlton DIFC, em Dubai, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O seminário fez parte da agenda de uma missão brasileira que está nos Emirados com mais de 300 empresários e executivos, organizada pela CNI com apoio de federações de indústrias, Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Dubai Chamber e Câmara de Comércio Árabe Brasileira. A delegação tem atividades no país de 13 a 19 de novembro e a agenda coincide em alguns dias com a visita do presidente Jair Bolsonaro aos Emirados.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, abriu o seminário dizendo que os Emirados devem ser parceiros estratégicos para os negócios brasileiros. Segundo ele, a retomada das relações comerciais e de investimentos após a pandemia de covid-19 exigirá das empresas mais ousadia na construção de novas parcerias de negócios e criatividade na incorporação de soluções em um mundo cada vez mais digital, com iniciativas comerciais mais voltadas para a sustentabilidade.

O ex-presidente do Brasil, Michel Temer, participou do evento com palestra magna. Ele disse que a missão empresarial da CNI é um recado de otimismo para o mundo. O ex-presidente defendeu que o Brasil precisa ser guiado pelo otimismo e afirmou que acredita na capacidade de recuperação do país nesse momento saindo da pandemia. “O Brasil tem uma capacidade de produção incrível. Precisamos estreitar as relações entre estes dois mundos. As relações comerciais trazem vínculos institucionais”, disse sobre Brasil e Emirados.

O presidente da Câmara Árabe, Osmar Chohfi, falou no seminário e contou dos incentivos que os Emirados Árabes oferecem para instalação de empresas em suas zonas francas. Ele afirmou que para estreitar as relações comerciais com a região é importante entender a cultura árabe. “Isso é fundamental. Eles consomem o que há de melhor no mundo e estão atentos à sustentabilidade do produto”, falou. Ter certificação halal, que atesta que o produto foi feito segundo os preceitos islâmicos, é valorizado e diferencial, segundo dica dada por Osmar Chohfi.

O diretor presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Carlos Melles, também falou no evento empresarial de Dubai e recomendou aos micro e pequenos empresários que estejam próximos dos Emirados Árabes Unidos. “Há muita oportunidade para os pequenos negócios por aqui, pois estamos inseridos em diversas cadeias produtivas”, disse Melles.

O diretor de Escritórios Internacionais da Dubai Chamber, Omar Khan, afirmou no evento que a América Latina é um mercado muito atraente, que merece atenção. “Já estamos encorajando as empresas árabes a fazer negócio com os brasileiros”, disse ele. O presidente da Apex-Brasil, Augusto Pestana, chamou as empresas à internacionalização. “Um país como o Brasil precisa se internacionalizar mais e estar aqui em Dubai, pela posição estratégica. A relação por aqui é de ganha ganha”, falou. Segundo ele, a Apex-Brasil está pronta a dar esse suporte.

Investimentos

O seminário teve ainda outros vários palestrantes, entre autoridades e representantes do setor privado. O diretor chefe do Escritório da Câmara Árabe em Dubai, Rafael Solimeo, falou sobre as oportunidades de negócios entre Brasil e Emirados Árabes Unidos. O Brasil exportou neste ano até setembro US$ 1,6 bilhão em mercadorias ao país árabe, e importou US$ 635 milhões. Os produtos mais vendidos foram carne de frango, ouro e açúcar, e os mais importados foram barcos-faróis/guindastes flutuantes, petróleo e enxofre.

Também há um fluxo de investimentos entre os países, segundo Solimeo. Os Emirados receberam em 2020 um total de US$ 99,2 milhões em investimento direto estrangeiro do Brasil. Já o Brasil recebeu do país árabe em 2019 o valor de US$ 1,2 bilhão em investimentos diretos. Tanto o Brasil tem empresas dos Emirados instaladas no país, quanto companhias brasileiras têm unidades nos Emirados, entre elas O Boticário, Weg, JBS, BRF, Minerva e Embraer.

Fonte: Câmara de Comércio Árabe-Brasileira